sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Al Gore, nosso heroi do tempo

Depois de termos sabido que Doris Lessing, que talvez nem estivesse pensando muito na coisa, ganhou seu Nobel de Literatura, sabemos no dia seguinte que Al Gore, o menino do tempo mundial, ganhou seu Nobel da Paz - algo no qual ele certamente pensou todos os dias em ganhar, desde que foi anunciado forte concorrente. Agora ele tem meio caminho andado para chegar a Presidencia dos Estados Unidos da America, o pais sem nome, como diria Godard em seu "Elogio do Amor" - cena anatologica em que uma americana arrogante, passeando pela França, e esculhambada por um frances. Mas quem e esse tal de Al Gore?

Al Gore, para os que se lembram, e aquele americano bonitao que entregou a Taça de Campeao, ou estava atras de quem entregou, a Romario, na Copa do Mundo de 1994, ocorrida no pais sem nome. Pois bem, nestes ultimos treze anos, ele envelheceu e engordou um bocado, seriamente preocupado com os desastres do aquecimento global. Esse pobre homem deve ter aberto a geladeira centenas de vezes, para pegar uma coxinha de galinha nao-aquecida, enquanto pensava em como deter o derretimento das calotas polares; deve ter usado varias vezes um desodorante aerosol, para poder se perfurmar, enquanto se preparava para mais uma conferencia nos confins do mundo, na qual ele propunha pactos de despoluiçao de rios; e deve ter usado muito seu carro para se dirigir as zonas mais agrestes e desmatadas da face da Terra. Um homem e sua missao, um cidadao consciente oriundo do pais sem nome.

Infelizmente, o pais sem nome, do qual Al Gore e originario, e o maior emissor de gases poluentes do mundo, o mais degradador atual da face da Terra, de uma maneira que nem a China ainda consegue fazer, mas que certamente vai conseguir, tao empenhada que esta em seguir a cartilha do pais com estados unidos. O unico pais que todos queriam que assinasse o tratado de Kyoto e o unico que nao pretende faze-lo, porque ele, o pais sem nome, nao pode deixar de crescer economicamente so porque seu gases poluentes chegam tambem ao Brasil atraves das correntes de ar mundial ou seus dejetos industriais tambem chegam ao Brasil atraves das correntes maritimas.

Al Gore e aquele cara que declarou que a Amazonia e um patrimonio mundial muito importante para ficar restrita a jurisprudencia de um unico pais, no caso, o Brasil - um pais com nome. Eu tambem acho: tanta biodiversidade, capaz de oferecer ao mundo todas as vacinas necessarias para curar as doenças atuais e as futuras, alem do segredinho oculto - petroleo em quantidade abundante no subsolo, talvez ate pedras preciosas, sem contar os metais, sem contar os metais! -, nao podem ficar na mao de cucarachos subdesenvolvidos. Ah, sem esquecer o Amazonas, um dos maiores rios navegaveis da Terra, senao o maior, com enorme potencial economico.

Esse e Al Gore, o menino do tempo. Sei que meu artigo nao servira de nada, so de alerta - se for o caso- a um ou dois leitores de boa vontade. Mas, se me cabe uma pergunta: por que so a Amazonia deve ser compartilhada? Por que nao o Alaska, um lugar tao frio e bonito, um deserto de gelo, igualmente abundante de petroleo no subsolo? Ou ate mesmo o Havai, para onde todo o mundo poderia ir para passar as ferias?

Um comentário:

mario elva disse...

Não podemos esquecer da esposa dele, dona Tipper Gore, que nos anos 90 se dedicou de modo ferrenho à censura de discos que possuíssem letras "contundentes". Graças aos esforços dela, os discos passaram a receber aquelas horríveis tarjas de aviso de conteúdo "perigoso". Dá-lhe família Gore!