quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Radiohead no Brasil - O dia chegou


Olha quem vem de mão beijada pra gente em março de 2009, com datas confirmadas para 20 de março no Rio e 22 de março em São Paulo? Radiohead. Eu mesma já falei mal, admito ser um som neoprogressivo, muitas vezes aviadado ( como é longa tradição na Inglaterra - que o diga o Bowie), cheio de vocais mexicanos do Thom Yorke, com fortes inclinações eletrônicas que por vezes redundam em composições assimiláveis apenas para os cidadãos de Plutão, com dois discos experimentalista-eletrônicos que o que ouvi não gostei, e o que não ouvi dei graças a Deus. Mas não adianta, eu continuo amando Radiohead. Passei 1998 ouvindo Ok Computer ( dez anos de lançamento este ano), o disco que mudou minha maneira de entender música rock e me preparou para ouvir Ladytron hoje em dia sem nenhum preconceito. Sem esses caras, eu talvez ainba estivesse achando Led Zeppelin a banda definitiva, como 89% dos trintões que conheço e ainda se vestem de preto e/ou com blusas de bandas de metal - justamente porque muitos acham que um som como o do Radiohead é "som de boiola", que "não é rock". Mas pra você que como eu abriu a mente lá atrás e já sabe que quem só gosta de passado é mais antiquado que um museu, vamos ver a banda que tornou possível filhotes como Franz Ferdinand e Bloc Party - quem não viu este último este ano no Brasil perdeu o melhor show de rock do ano. Nós esperamos muito tempo por Yorke & Co. Para mim foram longos onze anos. É nossa vez de ter nossa apoteose de neo-glam-progressive- etc rock inglês. Yeah.

P.S. Eu também vou a esse show por causa do The bends, do Hail to the thief e do In rainbows. Tá, vou por causa de tudo. :)

Nenhum comentário: