domingo, 14 de dezembro de 2008

The last but not the least - Anywhere I lay my head



Ela é a queridinha do mundo das celebridades internacionais. Para todo o lugar para onde você olhe, não há uma pedra na rua que não grite o nome de Scarlett Johansson. Embora não seja tão bonita quanto faz crer a foto ao lado, a moça tem sim seus talentos, inclusive artísticos. Interpretações como as de Encontros e desencontros e Moça com brinco de pérola são fantastáticas e diziam bem sobre seu futuro promissor como atriz com pendor a femme fatale - ultimamente, Woody Allen a prostitui artisticamente como sua musa da vez, sem lhe ajudar a ter metade do charme e carisma de uma Diane Keaton, quem viu Noivo neurótico, noiva nervosa sabe bem do que estou falando. Mas este post é para cumprimentar Scarlett por aquele que parecia vir a ser seu maior tiro no pé e transformou-se em seu maior feito neste ano: a gravação de seu primeiro CD Anywhere I lay my head. Composições de Tom Waits, produção do cara do Tv on the radio, benção do Bowie. Se o Bowie abençoou, tá abençoado. E, pelas duas músicas que ouvi ( como sempre, mal ouço tudo), o disco é bom mesmo, mesmo a Scarlett sendo uma cantora em fase de crescimento, por assim dizer. Este disco deveria figurar na lista abaixo, como um dos dez mais. Acabou ganhando um post inteiro ;) .

3 comentários:

:: Fräulein :: disse...

Já viu o clipe de Falling Down no youtube? veja e fique com nojo da pele dela, hahaha, o q a maquiadora faz pra disfarçar, hahaha, eu queria ter aprendido na minha adolescencia... :P

Fábio Flora disse...

Não ouvi o CD, mas sobre Diane Keaton e "Annie Hall" sei bem do que está falando. Um daqueles filmes que eu adoraria ter escrito.

Kyria disse...

Fábio, eu também adoraria ter escrito aquele filme. Aqueles monológos mentais que os dois mantêm dentro do ônibus na hora em que decidem se separar, e a reação do outro quando um decide tomar a iniciativa da separação, é fantástico.